Chá: Das lendas chinesas aos tempos modernos

Chá: Das lendas chinesas aos tempos modernos

Na saúde, doença, alegria e festas lá está o chá, uma bebida essencial em todas as culturas. Em rituais de celebração, ele é o brinde inicial para a recepção das visitas e nos dias de inverno, ele é o início de um bom sono. De uns tempos para cá, ele se tornou a segunda bebida mais consumida no mundo. A sua popularidade ganhou o mercado alimentício, assim deixou de ser apenas uma bebida quente para se tornar um refresco de verão prático, que mistura frutas, especiarias e aromas.

O chá não atrai apenas pelo seu paladar aromático, exótico, e até terapêutico. Mas por suas histórias curiosas, envolta em lendas chinesas, japonesas e indianas. Repleto de mitos e lendas, ele possui uma história no mínimo curiosa perdida nos tempos. 

A mais famosa delas, ocorreu há 5.000 anos na China, no império de Sheng Nong, um governante justo, amante da natureza e da ciência. 

Um dia preocupado com as epidemias que assolavam o seu reinado, Sheng promulgou uma lei onde exigia, que toda a água consumida fosse fervida. 

Esse hábito foi levado em suas viagens, em uma delas, os servos tomados de sede, devido ao calor escaldante, resolveram parar e ferver água para beber. De repente algumas folhas dos arbustos próximos caíram nessa água criando uma situação inusitada. 

Pouco a pouco, a água em ebulição tornou-se escura, atraindo o olhar do imperador. Não resistindo ao aroma que saia da água, bebeu a infusão. 

Desse dia em diante passou a beber a água com várias outras folhas e descobriu uma variedade de chás. 

Não foram só as lendas que fortaleceram a história do chá, mas alguns escritos, entre eles o do monge chinês Lu Yu, no primeiro livro sobre o chá. Lá ele relata os métodos de cultivo e a preparação da planta. 

Assim, nascia o chá que conhecemos hoje, pelo menos nas lendas. Apesar de ser apenas, mais uma das muitas que cercam a história do chá, provavelmente possui um fundo de verdade.

Mas, historicamente falando…

A Dinastia T´ang

Baseados em fatos históricos, o chá não remonta muito depois do período que antecede a ascensão da Dinastia T’ang. 

Essa família imperial reinou entre os anos 618 e 906 e assistiu à divulgação de uma bebida trazida dos Himalaias pelos monges budistas. 

A bebida era feita com o arbusto do chá, uma planta conhecida pelo nome científico de Camelia Sinensis, da família Theaceae. Ele crescia na cordilheira asiática, e foram os chineses os primeiros a domesticá-la em seus vastos campos organizados. 

Porém, só no século IX, o chá se tornou um hábito chinês, como testemunhou o monge budista japonês Ennin, em um relato escrito durante a sua viagem ao império. 

Segundo alguns adeptos do Zen, o fazedor do chá nasceu das pálpebras de Bodhidharme, que as havia cortado e atirado longe para impedir a sonolência da meditação. 

Esse é um dos motivos pelos quais, os monges bebem chá, para ficarem acordados. Aos poucos, essa bebida saborosa e cheirosa, conquistou o coração ocidental, por meio da Ásia Central e da Rússia. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *