O café no mundo

O café no mundo

Por: Priscila Gorzoni

O café além das fronteiras

Várias histórias e lendas são contadas sobre a origem do café. Muitos pensavam que a bebida nasceu, mais ao sul da península arábica, mas as evidências indicam a sua origem na Etiópia. Polêmicas à parte, da África a bebida ganhou o mundo, adquiriu novos aromas, sabores, estilos. Podemos dizer que o café é universal e certamente uma das bebidas mais queridas do mundo.

Depois que o café se espalhou pelo mundo, novas espécies surgiram, assim como outras formas de degustar essa bebida, que é certamente uma das mais populares do mundo.

Em cada região do mundo, se desenvolveu uma espécie de café, tendo como base o clima, a cultura, a terra.

Na África Oriental é tradicional o cultivo do café arábica. Já na área que vai dos planaltos, onde ficam os grandes lagos até a costa Atlântica, é mais comum encontrar o café robusta.

Foto por Nemuel Sereti em Pexels.com

Etiópia: É o berço do café, e produz um dos cafés mais valorizados no mundo. Ele é um dos maiores consumidores da bebida. Mas é no Sidamo, ao sul do país, que o café ocupa a maior área. Na região de Kaffa, a bebida ocupa grandes áreas. No Sidamo, Limu e o Yirga Cheffe são os cafés despolpados, que apresenta aromas frutados. O Ethiopia Sidamo é ao mesmo tempo delicado e complexo, oferece aroma floral, corpo médio e sabor de limão.

Foto por Breston Kenya em Pexels.com

Quênia: O café chegou ao país pelas mãos dos europeus. Perto de Nairóbi, no distrito de Kiambu, existem aproximadamente mil grandes plantações. Mais de 600 mil produtores, que respondem por aproximadamente 65% da produção, estão localizados nas montanhas. Os cafés quenianos são bem apreciados no mundo inteiro, por serem classificados como AA ou A. Além de terem grãos grandes, tem sabor ácido, aromáticos, sabor frutado.

Foto por Nick Bondarev em Pexels.com

Jamaica: Nesse país se produz o Jamaica Blue Mountain, um dos mais famosos do mundo. Esse nome surgiu porque esse café é produzido nas montanhas Azuis da Jamaica, uma das mais altas do Caribe. Esse café se tornou um dos mais caros e desejados do mundo.

Foto por Lukas Rodriguez em Pexels.com

Havaí: O café mais conhecido deste país é o Kona, que é também uma variedade do café arábica. Ele é cultivado nas encostas do Mount Hualalai e Mauna Loa, no distrito de Kona. O problema é encontrar mão de obra para esse café.

Foto por Camila Melo em Pexels.com

Colômbia: Eles ganharam reconhecimento internacional. O país é o segundo maior produtor de café arábica do mundo. Ele é cultivado, principalmente nas encostas da cordilheira central andina, a maior parte do produto vem da Anthioquia. Os cafés lavados tem bom corpo e acidez média. O café é considerado uma bebida nacional, portanto os colombianos souberam valorizá-lo.

Foto por Engin Akyurt em Pexels.com

Costa Rica: O vale central deste país é a mais importante região produtora. Os melhores cafés veem da região de Tarrazu. O cultivo é intenso, e o café apresenta acidez cítrica.

Foto por Miguel Lozano em Pexels.com

Guatemala: Este país apresenta sete grandes produtoras de café: Atillán. Antigua, Cobán, Fraijanes, Huehuetenango, Novo Oriente e San Marcos. Em suas encostas vulcânicas de origem maia, cultivam o café até 2500 metros de altitude. No país se produz um café elegante, complexo, acidez refinada, com sutil textura de cacau em pó e um suave sabor de especiarias.

Foto por Taryn Elliott em Pexels.com

El Salvador: O café vem se expandindo, os grãos teem grande diversidade de aromas, como o de tangerina.

Foto por Luis Quintero em Pexels.com

Panamá: Eles veem ganhando cada vez mais fama e excelente cotação no mercado internacional. Os mais famosos são da variedade Geisha, colhidos em terras altas do distrito de Boquete, perto da Fronteira com a Costa Rica.

Foto por Raul Juarez em Pexels.com

México: Aqui é cultivado o typica. O país é o maior produtor de café orgânico. A maior parte do produto bem das pequenas propriedades, entre elas, a região de VeraCruz. O café apresenta acidez leve. O Organic Shade Grown México vem da região de Chiapas. O café apresenta corpo médio, com acidez nítida e o sabor leve de nozes.

Foto por Taryn Elliott em Pexels.com

Vietnã: Ele é o maior produtor de café robusta do mundo e vem aumentando a sua produção ano a ano. O arábica é cultivado em uma pequena área de mais de 300 hectares.

Foto por Richi choraria em Pexels.com

Índia: No país é produzido os cafés robusta e arábica. As produções se concentram no sul, dos estados de Karnataka, Kerala e Tamil Nadu. Mais da metade está em mãos dos pequenos fazendeiros. Os outros, 35% são produzidos em fazendas com média de 40 hectares. A robusta tem sabor equilibrado e limpo. Já a arábica é encorpada e tem baixa acidez. Com relação à bebida, possuem corpo acentuado e sabor amargo.

Foto por Aron Visuals em Pexels.com

Indonésia: Ele é o segundo produtor de café arábica do mundo. 60% da produção vem das ilhas altas de Sumatra, 2% de Java, e 10% de Sulawesi. Os melhores cafés são produzidos em grandes propriedades. Os robustas lavados apresentam sabor doce e corpo intenso. Um dos cafés mais caros do mundo, é desse país e se chama Kopi Luwak. Sua produção é no mínimo curiosa, um bicho chamado Civet, come os grãos e os defeca. O café é produzido com os excrementos desse animal e tem um sabor caramelizado com um toque de chocolate ácido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *