Gastronomia: A cor dos alimentos

Gastronomia: A cor dos alimentos

Preparar o seu prato do almoço pode se tornar uma divertida aula de pintura. Comer com equilíbrio é básico, só assim conseguimos desempenhar bem as nossas funções diárias. É fácil fazer isso basta compor o seu prato como se fosse a palheta de um artista, com o maior número de cores….

Foto por Pixabay em Pexels.com

Pode parecer brincadeira, mas as cores não estão nos alimentos por acaso. Elas carregam várias vitaminas e nutrientes especiais para a nossa alimentação. Além da questão nutricional, o visual do prato ajuda a despertar a nossa fome. Alguns estudos como os do médico norte-americano Dr. David Heber atestam que uma alimentação monocromática é umas das responsáveis por doenças. Pode parecer estranho, mas segundo os nutricionistas quanto mais forte a cor dos alimentos, maior será a sua riqueza em vitaminas e minerais.

Cada cor uma vitamina….

Foto por Pineapple Supply Co. em Pexels.com

Amarelos: Os alimentos amarelos como os: abacaxi, abóbora, ameixa, caju, carambola, damasco, cenoura, laranja, mamão, manga, maracujá, melão, nêspera, pêssego, pimentão amarelo, mexerica. Apresentam pelo seu tom amarelo ou alaranjado o betacaroteno, ou pró-vitamina A. Essas vitaminas são importantes para manter a integridade da pele e participam do processo visual. Eles fortalecem as unhas e estimulam o sistema imunológico. Além disso, os alimentos amarelos também são ricos em vitamina C e participam da síntese de colágeno, tem ação antioxidante contra os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento da pele e auxiliadores da absorção do ferro.

Foto por Karolina Grabowska em Pexels.com

Preto ou roxo: Alcachofra, ameixa, amora, berinjela, feijão-preto, figo, jabuticaba, uva, repolho roxo. Alimentos nas tonalidades roxa, preta ou azulada contêm antocianina, um tipo de pigmento ligado à presença da vitamina B1. E é justamente a vitamina B1 o elemento essencial para a transformação dos carboidratos e outros nutrientes em energia.

Foto por Jessica Lewis em Pexels.com

Vermelho: Beterraba, caqui, cereja, framboesa, goiaba, melancia, morango, nectarina, pimentão, pitanga, romã, tomate. O vermelho é conseqüência de um pigmento chamado licopeno. Este tem sido amplamente estudado e relacionado à prevenção de câncer, principalmente próstata, estômago e de mama, e prevenção de aterogênese. Normalmente aparece associado à vitamina C, formando uma dupla com efeito antioxidante.

Foto por Adonyi Gu00e1bor em Pexels.com

Verde: Abacate, abobrinha, acelga, alface, quiabo, repolho, salsa, agrião, pimentão verde, brócolis, chicória, vagem, couve, kiwi, ervilha, espinafre, limão, pepino, rúcula, escarola, manjericão. O pigmento que define a cor deste grupo de alimentos é a clorofila. Segundo a medicina chinesa, comer folhas verdes aumenta a oxigenação das células e melhora o metabolismo da energia. As folhas verdes escuras são fonte de ácido fólico , ferro e vitamina C.

Foto por Vlad Cheu021ban em Pexels.com

Marrom: Amêndoas, amendoim, arroz integral, aveia integral, avelã, canela, castanha, centeio, cevada, grão-de-bico, feijão, lentilha, nozes, pão integral, pinhão, soja, tamarindo, trigo. Ricos em fibras, os alimentos de cor marrom regulam o funcionamento do intestino. Também ajudam a controlar o colesterol. As sementes oleaginosas, incluídas neste grupo, são excelentes fontes do mineral selênio e de vitamina E. Elas têm efeito antioxidante, vasodilatador, anticoagulante e contra a fadiga.

Foto por Lucie Liz em Pexels.com

Consultoras:

Patrícia Cruz, nutricionista.

Ana Paola Monegaglia, nutricionista.

Viva Melhor: com a medicina natural, Luiz Carlos Costa, Edições Vida Plena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *